Projeto para uma moda mais sustentável tem parceria da C&A

A C&A e a plataforma Malha lançaram um projeto em parceria em busca de uma moda mais sustentável. A iniciativa propõe novas formas de organizar, produzir e consumir moda em busca de um futuro mais verde e colaborativo. A ação conta também com o apoio do Instituto C&A.

Em sinergia com o novo momento do setor, o projeto tem quatro frentes de atuação. As duas primeiras contemplam a incubação de novas marcas e o desenvolvimento de um polo de upcycling (processo que transformar resíduos ou peças de roupas que seriam descartadas em novos produtos) que deve ser inaugurado no início de 2017. A seleção dos participantes será feita por edital e as marcas poderão se candidatar. Segundo a assessoria de imprensa, já nos próximos dias teremos novidades sobre a abertura do mesmo.

As marcas incubadas terão à sua disposição um espaço para produção e exposição de seus produtos, no estúdio fotográfico Malha, e consultoria, por meio de um processo conduzido com colaboradores da rede de varejo. “Queremos que essas novas marcas se desenvolvam e atuem no mercado de forma consistente e inovadora, promovendo conceitos de sustentabilidade desde a escolha da matéria prima até a embalagem do produto”, explica o CEO da C&A e membro do Comitê de Investimentos do Instituto C&A, Paulo Correa.

Haverá ainda palestras, workshops e bolsas de estudo para a escola de moda da Malha. Esses eventos estão programados para ocorrer a cada dois meses a partir de 2017 e terão como objetivo gerar discussão e conhecimento sobre assuntos como inovação, produção local e independente, sustentabilidade, moda com propósito, economia colaborativa e outras tendências para o futuro da moda sustentável.

Por fim, está previsto o desenvolvimento de novos cursos com foco em inovação e sustentabilidade na indústria da moda e bolsas de estudo integrais para capacitar pessoas de comunidade locais para atuar indústria da moda de forma sustentável. “Reunimos em uma mesma comunidade o ecossistema da moda, de forma colaborativa, pela primeira vez, e isso é muito importante”, conclui Herman Bessler, fundador da Malha.